segunda-feira, 6 de maio de 2013

Garota de programa ou Rainha do Prazer?

Corra, Lola, corra!
Fonte: http://m.g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2013/04/
faco-porque-gosto-revela-garota-de-programa-
recem-graduada-em-letras.html
Hello people! Hoje resolvi falar aqui de um tema que é bem polêmico (e se isso der "audiência" pro blog, melhor ainda! kkk). Soube semana passada de uma história bem interessante e que vale a pena ser contada. Para aqueles que não sabem, surgiu na mídia uma garota de 21 anos, formada em letras, culta, linda, de boa família e sem traumas de infância que resolveu juntar o útil ao agradável e se tornar garota de programa. O nome dela (artístico, e não de batismo) é Lola Benvenutti. E quando eu disse que ela juntou 2 em 1, estava falando sério: ela adora sexo, e dinheiro, e por que não unir os dois numa profissão que ela descobriu adorar?



Ok, tema polêmico, né? Mas vamos entender melhor. Com a liberdade sexual, as mulheres têm cada vez mais poder de fazer o que querem na sociedade. E isso inclui vender, ou melhor, alugar, o corpo para quem bem entender. Muitas pessoas podem criticar a atitude dela, mas a achei o máximo! Porque analisando friamente, e colocando de lado todos os preconceitos da sociedade, ela teve coragem suficiente pra assumir exatamente o que ela gosta e quer. Muitas mulheres acabam "dando" pra uns e outros (e muitos outros), e pelo fato de não cobrarem por isso acham que estão cheias de valor. E quer saber? Não tem muita diferença entre as duas. Pelo menos a Lola faz, gosta, e ganha a vida com isso assumidamente sem se importar com todas as críticas. Existe muita mulher recalcada por aí que dá uma de "mocinha", mas faz bem pior. 




Sempre adorei pessoas que se assumem, e sempre achei que o cara pra assumir na sociedade que é gay tem que ser muito macho, como também a mulher bater no peito e assumir que gosta de sexo é muito mais mulher que a maioria. Obviamente não estou querendo encorajar ninguém a nenhum dos dois, até porque quem optou por um caminho não-convencional provavelmente irá sofrer muito preconceito, e terá muitas portas fechadas. É uma decisão muito difícil, e que a pessoa precisa ter muita coragem e certeza. Mas se ela (no caso a Lola) está certa de que é isso que ela gosta e quer, qual o problema nela assumir? Moralismos à parte, ninguém tem nada a ver com isso, todos somos livres pra escolhermos o que queremos da vida, né?

Na época de Bruna Surfistinha li o blog dela algumas vezes, antes mesmo do livro e do filme. Lola tem um blog no qual também conta tudo, e fala sobre seus clientes. Portanto é inevitável que todas as mídias estejam comparando as duas, e inclusive elogiando Lola pela sua maneira de escrever. O que pude perceber nos dois casos é que elas nasceram mesmo pra coisa, sabe? Muito talento mesmo! E o problema de Bruna (Surfistinha) foi ter se envolvido com drogas, aí começou o declínio dela. Se Lola souber lidar com essa fama repentina e não se envolver com pessoas erradas, talvez ela tenha um futuro promissor nessa área. Obviamente não como prostituta até o fim dos dias, mas pelo entusiasmo dela com sexo e tudo o que o envolve, ela pode até ir por outros caminhos nessa mesma área, aproveitando os dotes linguísticos que ela possui.













A sociedade toda é muito cheia de falsidade, de falso moralismo, de críticas. Gente, o amor é livre, o corpo é livre, e a alma é livre! Cada um faz o que quiser e como quiser, e não vejo problema nisso desde que não faça mal a ninguém. Aliás, tem mais valor uma prostituta que não prejudica ninguém do que um político que rouba e impede os direitos da população, concordam? Opinem! Vamos movimentar isso aqui!!! Uhuuuuu!!!

Beijos!!!!

Tá me chamando de goooooorda!?!?!

Minha foto

Sou uma arquiteta metida a programadora visual, fotógrafa e conselheira amorosa. Filha única, cresci sendo amiga de muitos meninos, que eram como meus irmãos. Isso me fez ver a mente masculina de uma forma um pouco diferente...