segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Adolescência pesada...

Oi gente!!! Olha, quem me conhece pessoalmente deve saber o quanto sou curiosa, e em como adoro me aprofundar em alguns assuntos. Quando coloco uma coisa na cabeça, não páro até entender algo do assunto em questão. Por exemplo: no colégio, sempre que a professora de Biologia falava alguma doença, eu chegava em casa e pesquisava na Barsa (uhuuu, lembram disso?); no último ano do colégio, fiquei obcecada com tudo relativo à Segunda Guerra e Hitler, e li uns 3 livros só sobre isso...em pleno ano de vestibular... 

Pois bem, meu novo assunto obsessivo é uma coisa beeeem delicada, sabem? Tudo começou porque no começo da semana tive insônia, e resolvi fuçar o Instagram pra me dar sono (porque sempre me dá), e aí fui entrando, vendo hashtags, e fuçando mais. Daí cheguei em #anorexia, e fiquei meio chocada com as fotos. Indo mais a fundo na "pesquisa", cheguei a #cutting. Gente! Fiquei chocada total! Não sei se vocês sabem o que é isso, portanto vai uma explicação by Wikipedia: 



"Cutting ou Automutilação (AM), é definido como qualquer comportamento intencional envolvendo agressão direta ao próprio corpo sem intenção consciente de suicídio. Os atos geralmente têm como intenção o alívio de dores emocionais e em grande parte dos casos, estão associados ao Transtorno de Personalidade Borderline."

Se vocês já viram alguém se cortar ou arranhar nos pulsos, braços, pernas, ou qualquer outro local, saibam que é isso. E por incrível que pareça, é muito mais comum do que eu poderia imaginar. Conversando com alguns amigos, descobri que muitos conhecem alguém que tem o problema (eu não conheço ninguém). Isso já é suficiente pra ter se tornado minha nova obsessão de conhecimento: preciso entender melhor essas pessoas que se cortam pra afogar as mágoas. 

Demi Lovato: famosa que se cortava, e assumiu isso publicamente
'O silêncio é o choro mais alto de uma garota.'' 
Pelas minhas pesquisas em blogs sobre o assunto, geralmente esse cutting está associado à depressão e distúrbio alimentares. São adolescentes desde uns 12 anos, que têm contas anônimas no Insta para desabafarem e conversar com pessoas que têm o mesmo problema. Ao contrário da anorexia, esses jovens sabem que o que fazem é errado, e se envergonham disso, e sempre perdem desculpas a alguém por ter sido fraco e se cortado novamente. Infelizmente não conseguem parar, pois é uma angústia tão grande dentro deles que a única coisa que os consola é sentir a navalha rasgando a pele... Não vi em nenhum local estímulo a essa prática, pelo contrário, todos queriam ser fortes pra parar. Tem até um tal de "Projeto Borboleta", que é pra dar apoio a esses jovens, que são em sua maioria meninas (se tiver curiosidade, é bem legal, joga no google que tem várias coisas sobre o projeto).

Enfim, fiquei meio "coisada" com tudo o que vi e li (treinei super meu inglês!), e tenho pensado muito sobre esse assunto de depressão na adolescência. E o pior é que não parece fingimento nem drama, sabe? Esses jovens realmente têm problemas, e precisam muuuuito de ajuda! É um vício, como uma droga, que a pessoa começa com pouco e vai aumentando a dose e a frequência, até ficar incontrolável. 

Pra quem quer entender um pouquinho mais sobre isso, até pra ver quando e como acontece, tem um filme que eu já assisti umas 3 vezes: "Aos Treze". Ele é bem bacana, e mostra como pode ser complicada a vida de uma jovem adolescente, e todos os problemas que passam na cabeça dela. Interessante principalmente pra quem tem filhos, pra ajudar a identificar alguns sinais. A atriz principal sofre de cutting. É pesadinho, mas bem bacana. Interessante também "Garota, Interrompida" com Angelina Jolie. E tem também a música Clarisse de Legião Urbana que fala exatamente sobre as angústias de uma menina de 14 anos que se corta (os fãs que me perdoem, mas essa música é capaz de deixar até o Bozo deprê!).

Bem, pra finalizar, só queria dizer que estou falando disso aqui com vocês porque é uma coisa que realmente ficou na minha cabeça, e que eu queria tentar entender, sabe? Talvez minha curiosidade extrema seja tipo um vício pra mim, porque não consigo parar de procurar mais e mais informações sobre o assunto da época! E vocês, têm algo a dizer sobre isso? E mais uma vez lembrem-se que essas pessoas não precisam de mais preconceito, e sim de carinho e ajuda!


Beijos!
:*
:*
:*



Tá me chamando de goooooorda!?!?!

Minha foto

Sou uma arquiteta metida a programadora visual, fotógrafa e conselheira amorosa. Filha única, cresci sendo amiga de muitos meninos, que eram como meus irmãos. Isso me fez ver a mente masculina de uma forma um pouco diferente...