domingo, 17 de novembro de 2013

Preguiça de viver!

Não sei vocês, mas estou passando por uma daquelas fases em que estou com "preguiça de viver", sabe? E não, antes que alguém pense que estou em depressão e quero me matar, já vou dizendo que uma coisa não tem nada a ver com a outra. Quando digo que estou com "preguiça de viver", estou apenas ressaltando o meu desejo de não fazer nada nas minhas horas vagas. Deve ter até alguma denominação linguística na língua portuguesa para exageros em expressões (se alguém souber, ajuda aí!).

Pois bem, sabe aquela coisa de passar a semana toda num ritmo frenético, trabalhando como uma louca, dormindo pouco, sem tempo pra nada? Aí quando eu vejo um sábado na minha frente, fantasio coisas maravilhosas com ele! Tipo: eu, uma camisola de algodão grandona (sim, bem brochante, tô nem aí), minha cama, e minha TV.... completado pelo doce e gordo sabor de um brigadeiro... aahhh, essa sensação de "nada pra fazer", me deixando totalmente disponível para curtir séries infindáveis no Netflix, sem me preocupar nem em pentear o cabelo, é das melhores sensações que uma pessoa pode ter na vida!
O prazer de não fazer nada me deixa sem palavras, e é algo tão difícil de ser ter, né? 

Bem, falando nisso, outro dia estava conversado com minhas amigas, e tocamos nesse assunto. Achei incrível e fascinante o fato de TODAS as meninas que conversei terem essa mesma fantasia que eu: camisola frouxa (e calcinha idem), TV (pra ver seriados), brigadeiro (e pipoca, talvez com cerveja), sem hora pra nada... e depois dizem que mulheres são complicadas! Isso sim faz qualquer mulher feliz!!!!!!


Conversando com os meus amigos homens percebi que é impressionante como felicidade sempre vem associada com mulheres, amigos e bebida... Pois bem, considerando uma felicidade solitária (e assexuada, por favor), veio a TV (sempre ela), cerveja e amendoim, cueca samba-canção e a liberdade para arrotar. Homens.....


Finalizando (porque tô com muita preguiça, e vocês também devem estar), o mundo hoje é tão puxado, tão corrido, que momentos de "preguiça de viver" tornaram-se cada vez mais raros. Mas podem ter certeza que, pra mim, ainda são os melhores!

E vocês, quais os melhores momentos de vocês? Beijos!!!


segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Babaca ou banana?

Esse é Bento: bom moço, trabalhador, fiel, fofo,
querido, romântico, educado, feliz....e banana!
Gente, seguinte: eu estava jantando agora e vendo a novela Sangue Bom (amo novela, e daí?). Estava passando uma cena com Bento (Marco Pigossi), e eu pensei "que mané"! Pois bem, então fiquei pensando sobre o assunto, e comecei a devanear loucamente, e assim nasceu o tema pra esse post. Aliás, quero até deixar claro aqui que adoro meu blog, mas pra eu escrever tem que vim assim, de repente, no susto, sabem?

Pois bem, voltando a Bento: enquanto eu estava parada pensando no motivo dele ser um "banana", pensei em Caio-Gostoso-Castro (o Dr.Michel de "Amor à Vida"). Daí comecei a relacionar os dois e pensei: "Qual o modelo ideal para as mulheres?"


Obviamente aqui só posso dar minha opinião, mas acho que deve ser a opinião da maioria. São 2 opostos: Bento, que é um fofo, carinhoso, amigo, gentil, educado, honesto, e mais fofo. Tão fofo que na novela chega a ser abestalhado, um verdadeiro banana. Já Michel é uma delicinha, fogoso, viril, cafajeste, galinha... e aí a mulherada baba só de ver. Pois bem, na ficção SEMPRE vou preferir o cachorro gostosão, até porque mesmo que ele trabalhe mal, sempre vai ter um peitoral definido pra gente babar. Mas na vida real, quero distância desse tipo, e prefiro correr para os braços de um Bento da vida, sabe?
 -Prazer, sou Caio-Gostoso-Castro, ou melhor,
Dr.Michel-Delícia: gostoso, viril, másculo,
fogoso, insaciável.....e um babaca

Isso quer dizer que mulher adora um homem que tenha A pegada, mas depois de um tempo só isso cansa, e fica aquela vontade de simplesmente ficar junto num dia de chuva em casa. Vou mais a fundo: Bento tem muito mais valor que qualquer Michel, mas pra uma mulher realmente dar valor a um Bento, precisa sofrer na mão de um Michel. Isso no final é bom, dá força. Sério!!!! Se a menina nunca conhecer um Michel, como ela vai saber e ter a certeza que aquele garoto bonzinho é o melhor pra ela? A diversidade é muito boa pra gente aprender a dar valor ao que nos é realmente importante. 



Ok, isso pode gerar polêmica... tô nem aí, essa é minha opinião, tá? E sim, Bento na vida real é o que toda mulher sonha e procura. Mas na ficção, vamos sempre pedir mais e mais Michels-cachorrões, porque vamos combinar: os cachorros sempre ficam melhor sem camisa né?

E pra fechar o post, um videozinho pra animar o dia de vocês (loucura, loucura, loucuuuuuuuura!):



E vocês, qual tipo preferem? E meninos, vocês são qual tipo? Beijos! :******





sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Hoje é dia de quê mesmo?

Pra quem não sabe, hoje (6/9) é o Dia do Sexo. E ontem (5/9) foi Dia do Irmão. E dia 2 de junho é o Dia da Prostituta. Sim, pessoas, existe dia da prostituta. E se você acha pouco, dia 3 de março é o Dia Internacional dos Direitos dos Trabalhadores de Sexo...



Fico com muita, mas muita raiva disso. Não por ter um dia em homenagem ao sexo ou a tudo relacionado a ele, mas sim por inventarem esse bando de data que não tem nada a ver! Ontem nas redes sociais era só o que tinha: parabéns aos melhores irmãos do mundo. Isso como se essa data fosse comum como Dia das Mães ou dos Pais. Eu nunca tinha ouvido falar nisso. E ninguém do meu ciclo de amizades já tinha ouvido sobre isso. 

Pra quem não sabe, sou filha única. Ainda bem que só inventaram essa data do Dia do Irmão agora, porque poderia ter gerado um trauma em mim, sabia? Imaginem que cada vez mais as pessoas têm um único filho, e e em como essas criancinhas podem se sentir solitárias em não terem um irmão pra comemorar esse dia? Se essa data vingar mesmo, vai ser um problema para as novas gerações! Dia da Avó mesmo, acho que não pegou direito. Por quase 30 anos nunca tinha ouvido sobre esse dia, e de uns anos pra cá toda vez tem campanha. So sorry, comércio, essa data não deu muito certo. Até porque como "avó é mãe 2 vezes", já ganhava presente no Dia das Mães, né?
E já que tem dia pra tudo, reivindico aqui um Dia do Filho Único. E se é pra ser data especial, por que não ter o Dia do Iphone, que mudou a minha vida e a de tantas pessoas? Dia do Blush também seria legal, pois é uma coisa muito importante na minha vida, pois me dá bochechas coradas sem ter que comer beterraba. Aliás, passei anos da minha vida sendo iludida pela minha mãe, que me dizia que eu só teria bochechas rosadas se comesse beterraba, até que um dia conheci o poder do blush e minha vida mudou. Acho muito justo destinar um dia especial a esse cosmético. 

Podia ter também o Dia Internacional das Dançarinas do Quadradinho de 8. Acho justo, acho louvável. Não que eu saiba dançar isso, aliás, nem nunca tentei. Mas as dançarinas merecem respeito por ter a coragem e flexibilidade de pagar esse mico em público. E sobre isso, inclusive, a diva Ticiane Pinheiro já teria aderido à essa campanha e já prestou uma homenagem em rede nacional.











Ok, é isso. E que data vocês acham que devia ter no nosso calendário? 

Beijos!!!!! :****** (dia do beijo já tem!)

PS.: Só pra deixar bem claro que isso tudo que eu falei foi sendo bem irônica, viu? Espero que ninguém venha me perguntar se eu estava falando sério! kkkkkkk





quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Você odeia ser você de vez em quando?

Juro que já estou com vergonha de vocês pela demora pra escrever aqui. Pois é, estou numa fase tão "xoxa" que nem meu bloguinho me anima... Malditos hormônios! Mas enfim, cá estou porque tive uma inspiração (espero que apenas a primeira de várias), pois uma amiga minha postou no Instagram dela:



Então isso me fez pensar, e pensar, e pensar mais um pouquinho. Daí conversando com outro amigo meu, ele me disse "Esse lance de dizer que passou a vida inteira gostando do que faz é conversa fiada. O ser humano é dinâmico." Pois é, aí tive a certeza de que minha desconfiança é mais séria do que eu pensava, e de que eu não sou a única pessoa do mundo que pensa e sente essas coisas.

Sempre pode ser pior....
Queria saber, inclusive, se há alguém nesse mundo que ama o que faz todos os dias. No começo dessa minha "insatisfação", me senti péssima. Mas aí passou. E depois de um tempo voltou. E passou de novo. E assim vai, indo e vindo. Percebi que não há problema nenhum em odiar o que fazemos. Todo mundo sente isso de vez em quando. Sou arquiteta, mas aí uma amiga minha veio com a jóia: "pelo menos a gente é arquiteta e lida com tijolo, imagina o urologista...?" Então é isso, meu lema de vida é: ...podia ser sempre pior...!

Eu odiava a faculdade. Odiava tudo nela. Mas fui até o fim porque amava trabalhar com arquitetura, e com meu estágio aprendia mais do que qualquer aula. Isso faz algum tempo, mas sei que ainda amo arquitetura. Só não amo 24hs por dia. Nas horas em que não estou trabalhando, amo fotografia, amo comer e beber, amo dormir, ver TV e jogar Candy Crush. Mas não amo arquitetura e nem nada relativo à ela nas minhas horas vagas. Amo muito mais esquecer arquitetura. Por isso não falo de arquitetura em bar, e nem viajo pra ver arquitetura, e não gosto de programas de TV sobre arquitetura. Sou arquiteta, mas arquitetura não está entre meus hobbies. 

Tá vendo que sempre pode ser beeeem pior?
Estou fazendo aula de fotografia (isso sim é meu hobby), e estou amando. Então fui a um parque aqui de Recife tirar umas fotos (quem quiser conferir vai lá no meu Flickr). Nesse parque tem uma Igrejinha fofa, e confesso que nem cheguei perto dela, porque NÃO, não gosto de fotos de arquitetura... Deve ser tipo a aversão que alguém que trabalha na McDonald´s deve sentir por batata frita...



E vocês? Vão me dizer que amam 100% do tempo o que fazem? 

Beijos!!!!

domingo, 28 de julho de 2013

Falando em Butecu....

O Save the Date que passei por msg

Pra quem não sabe, mas meu aniversário foi por esses dias. Completei 33 primaveras floridas e perfumadas (hahahaha). Resolvi comemorar, depois de aproximadamente 8 anos sem nenhum tipo de festinha. Na semana passada reuni alguns amigos mais chegados para o meu Butecu. Ok, sei que não se escreve assim, que o correto é boteco, mas resolvi criar esse neologismo, misturando o nome normal com meu sobrenome Cuchi, nascendo assim o Butecu 33. Por esse motivo fiquei um tempinho afastada aqui do blog, porque adoro fazer essas "artes" de festinha, mas sempre fazia para os outros, e nunca tinha feito pra mim mesma, daí me empolguei :)






















Em dias de redes sociais e WhatsApp, todos os convites foram feitos por mensagem. Isso facilita muito! Não sou muito fã desse aplicativo, mas confesso que ele me salvou! Na decoração, encontrei no centro da cidade uns pratinhos de plástico prateado em forma de concha que achei o máximo! Muuuuito brega! Comprei na hora, porque achei que daria um toque vintage! Fiz uns painéis com fotos em momentos de festa com bebidas e amigos, imprimi em casa e mandei plastificar, pra deixar em cima das mesas, tipo um cardápio. 



Os comes...


Sobre as comidinhas, fiz mini sanduichinhos de mortadela (que temperei com azeite e pimenta do reino). Encomendei coxinhas, mini-quibes, pasteizinhos e rissoles, aquelas frituras que todo mundo adora nos botecos. Nas mesas tinha potinhos com amendoim, Doritos, ovinhos de codorna coloridos e uns espetinhos com azeitona, salsicha e azeitona, ou seja, coisinhas pra comer enquanto se bebe. O bolo foi tradicional de chocolate, mas ficou fofo com minha vela em forma de caneca de chopp! Tinha copinhos de brigadeiro e outros de doce de leite com paçoquita. :P

...e bebes

A bebida principal foi cerveja, tipo long neck. Foram aproximadamente 55 pessoas, e 180 cervejas. Nunca tinha feito festinha com bebida, portanto não imaginei que o freezer daqui do meu prédio não daria conta do abre-e-fecha dele, e que em certo ponto as cervejas iriam ficar quentes! Ainda bem que isso aconteceu num momento em que a bebida já tinha feito um certo efeito e descia quente mesmo. A solução foi comprar gelo e colocar num isopor. Portanto a dica é: deixe logo cedo as bebidas para gelar, e próximo da festa as deixe num isopor grande com muuuuuito gelo, porque assim ela vai permanecer gelada, e evitar o movimento na porta do freezer.  

Mas falando em bebida, a graça da festinha foram as Minhocas Bêbadas. Misturei numa travessa daquelas descartáveis (que o pessoal leva pro forno) as minhocas de gelatina com cachaça 51. Não precisa deixar elas boiando, coloca o suficiente pra cobrir elas, e depois de umas 2 horas só tira o excesso da cachaça. E pronto, é só isso! Fica delicinha! As minhoquinhas de gelatina (que ainda são 0% gordura, porque aqui é tudo muito saudável) absorvem a bebida, incham um pouco, e ficam deliciosamente alcoólicas, com um azedinho cítrico no final. Muito bom! Até minha mãe que não bebe nem vinho carreteiro provou e aprovou! Recomendo! E se preferir, dessa gelatina tem outros formatos que também podem ser usados. 


















Outra farra ficou por conta das Gelly Shots. Preparei a tradicional gelatina com vodca e coloquei em copinhos de café. O bom é que fica bem colorido. O ruim é que se deixar fora da geladeira muito tempo ela derrete, aí tem que tirar aos poucos. Tentei de várias formas, e cada cor (e sabor) tinha um teor alcoólico diferente. Quando coloquei a receita tradicional de 1 pacote pra 250ml de água quente e mais 250ml de vodca gelada, achei muuuuuito forte, e não curti. O melhor ficou de 2 pacotinhos de gelatina + 500ml de água quente + 250 ml de vodca + 250ml de água gelada. Fez sucesso também! Ah, uma dica é que pode comprar daquela vodca mais barata, mas cuidado pra não ser uma tão vagabunda que dê ressaca no outro dia, recomendo as medianas.
As Gelly Shots: na esquerda após o consumo :)
As "mina tudo pira" com as minhoquinhas!

















 E aí gente, inspirou pra fazer o botecão de vocês? Curtiram meu Butecu? Ou têm dúvidas? Vocês têm alguma ideia legal? Já fizeram alguma festinha bacana e querem compartilhar? O espaço aqui é de vocês! 


Ah! Esqueci de dizer que minha caneca tinha uma luzinha de led
que ficava piscando! Adorei! O bom é que não se perdia! Hahahaha!



















quinta-feira, 25 de julho de 2013

Até onde vale a pena ir atrás? E vale?

Oi pessoal! Não fiquem com raiva de mim pela minha demora pra escrever aqui, gente, mas estava sem tempo (e sem muita inspiração também). Mas agora prometo compensar com muitos posts legais, ok? Pra começar, vou publicar um texto que uma amiga escreveu especialmente pro Detalhe 1/1. Vamos dar o codinome pra ela de MP :).

Então aqui vai o texto da nossa mais nova colaboradora: MP!

"Oi, você que me lê hoje, já sofreu por amor? Fim de relacionamento mesmo? De quem foi a culpa? Se você não hesitou em responder que a culpa foi 100% da outra pessoa, é pra você que falo hoje. Pois bem, se você sofreu, chorou, se descabelou e se culpou em algum momento, não importa quem pôs o ponto final na história: se você (sim VOCÊ) teve uma vontade quase incontrolável de ir atrás, e você foi?

Explicado o contexto, nessa hora já passa pela sua cabeça uma história vivenciada por você. Para isso podemos dividir essa história em duas partes: a primeira você deu um pontapé no centro do traseiro alheio, e na segunda parte você levou o maior impacto na retaguarda possível de se imaginar.

Se você deu o ré: NÃO DÁ CERTO, não estamos falando do louco de pedra enciumado, ou do seu cafuçu (todo mundo tem o seu, ele pode ser encontrado em qualquer esquina... CUIDADO!), ou até do gatinho que não evoluiu. Estamos falando do grande amor da sua vida (e existe?) mas que não está te fazendo bem, todos notam isso e até que você finalmente se dá conta... E aí você, forte como aprendeu a ser na propaganda da Elséve ("...por que você vale muito...") e... "the end is coming"...

Se você levou o ré: O maldito impacto veio como um terremoto, causou tremores no seu terreno sentimental, fissurou as estruturas de base e de repente você se viu embaixo dos destroços. Mas você sobreviveu, pode até ter entrado num coma, mas tá vivo pra reagir, e então se vê na reabilitação, e aí...você DEVE ir atrás? Você PODE ir atrás? Você QUER tentar mais uma vez, mesmo após uma rejeição?

Bom, como o caso é mais comum do que gostaríamos, mais uma vez numa mesa de bar (e haja cachaça...), estávamos discutindo sobre o assunto e todos nós tivemos opiniões distintas sobre o correto a se fazer nestas situações.

Se fugirmos um pouco do campo sentimental e adentrarmos num mundo coerente e racional (particularmente o meu preferido) a regra é clara, ACABOU PAPAI, tem boquinha não, você  errou, a outra pessoa também, se não deu certo da primeira vez porque daria certo em uma nova tentativa? Se o "ser" que te cultivou não leu O Pequeno Príncipe e te descartou, ele deve ter lá o bom motivo dele, mas seja lá qual for ele vem acompanhado de NÃO HÁ MAIS AMOR, OU NUNCA HOUVE, e se houvesse não teria acabado não é mesmo? E vale a pena insistir nisso? Você vai vestir o casulo da lesma e se rastejar atrás do malfeitor?

Ou se foi você que acabou vai querer voltar pra quê? Da mesma forma você teve seus motivos, e talvez essa tenha sido a forma mais hard de resolver, porém a mais certa, você tem uma só vida e é melhor viver tentando achar alguém que saiba compartilhar da sua felicidade e tenha intenção de estar ao seu lado quando a alegria não for possível, do que se acomodar num mundo onde “eu não posso viver sem vc”...

Bom, essa visão racional de fins de relacionamento respondem a pergunta inicial dessa forma: não se deve, nem pode ir atrás então NÃO vale a pena! Se você quer tentar, tente enquanto está junto. Sabe aquela música brega: “cristal quebraaado não coooola jamáaaaais...”?? Pois é gente, tente enquanto está junto, pois quando o relacionamento acaba, MUITAS vezes não vale a pena tentar novamente!

Mas se o amor não anda em conjunto com a razão, será que esta não seria a forma errada de agir? Seja lá como for, vai lá uma dica: faz o que vier na telha e se der merda, não foi uma merda omissa, ela veio de quem falou mais alto! Lembre-se: Quem nunca “cagou” uma relação que atire a primeira pedra!"




E então, pessoal, qual a opinião de vocês? E se vocês também quiserem escrever pro blog, me mandem o texto que eu publico aqui! Afinal, o cantinho aqui do blog é de vocês! Beijos :****

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Ô seu Gigante, acorda aí!



Brasileiros e brasileiras, como vão? Hehehehe....entrando nesse clima de cidadania! Bem, todos sabem o clima de protesto e reivindicações que o Brasil está passando, né? Se você estiver em dúvida, um site que tenho lido muito sobre os manifestos é o da Revista Veja, que achei mais imparcial (diferente da Globo). Bem, mas aqui no blog não é lugar pra ter aula de política, até porque nunca gostei disso... Quero apenas dizer como tudo isso que está acontecendo está influenciando cidadãos normais como eu, sem nenhum vínculo político.

Nunca curti política. E nem futebol. Aliás, nem esportes. Mas sempre fui muito curiosa, e quando um tema me interessa fico obcecada por ele (lembram do post sobre Cutting?). E tudo isso que vem acontecendo me fez ver a política com outros olhos. Desde pequena só consigo estudar aquilo que eu gosto e me interesso, e agora finalmente me interessei por assuntos políticos. Aliás, tenho notado que pessoas que nunca conversaram sobre isso, estão conversando agora. Política virou o tema principal de mesas de bar, conversas de escritórios e almoços de família. E isso é bom!!! Finalmente o povo brasileiro está vestindo a camisa que lhe é de direito, e está se preocupando em saber o que é feito no país. E óbvio que estou incluída nesse meio!

Para os que não sabem, sou e moro em Recife. Aqui teve o primeiro manifesto dia 20/06, e por mais que a mídia (vulgo Rede Globo) tenha dito que foram 52 mil pessoas, garanto a todos que lá tinha pra mais de 100 mil! Sei disso porque eu fui! Resolvi ir pra fazer parte de todo esse movimento lindo que está tendo (e que está colhendo os primeiros frutos). Tirando os atos de vandalismo e violência de uma minoria (muito minoria mesmo, tipo grupinhos de 5 a 20 pessoas), é muito lindo ver todos na rua pedindo por mais justiça e honestidade. Lógico que no protesto tinha aqueles "sem noção" que reivindicavam a legalização da maconha, mas a maioria queria mesmo era um país melhor e mais justo. Fiquei orgulhosa de estar lá, de pintar a cara e ser brasileira, de ver que todos nós estamos finalmente abrindo os olhos pra toda a sujeira que era escondida embaixo do sofá, afinal de contas #ogiganteacordou! E pensar que um movimento desse tamanho começou pelas redes sociais... quem mesmo foi que disse que as redes sociais não têm poder?

20-06-2013: O DIA EM QUE RECIFE PAROU!

POR UM BRASIL COM MAIS AMOR!!!

Chamando a boiada pro protesto! #vemprarua!


Foi lindo ver uma família lá, com uma criança linda!

 

Muitos protestos contra Feliciano! Mas isso é assunto pra outro post...
Cartaz em japonês, de japoneses turistas!    

Avenida Guararapes L.O.T.A.D.A.! #vemprarua 


Foto: Nathália Cândido

Foto: Amanda Spinelli
Eu fui! E cheguei até o Marco Zero da cidade!!!!

Fonte: @novojeito

Fonte: @novojeito

Foto: Luísa Novaes

Foto: Tatiane Brandão

Tudo na maior paz!!!                         Foto: Tatiane Brandão

Foto: Luísa Novaes

O BRASIL PELO MUNDO


Manifestação pacífica em Coimbra- Portugal, na qual os policiais ajudaram na organização. Lindo!!!
Foto: Aline Menezes

Coimbra                              Foto: Aline Menezes

Coimbra                                Foto: Aline Menezes

Em Dublin também teve, e mais de mil pessoas!                Foto: Bruna Nunes

Dublin                              Foto: Bruna Nunes
Londres                                   Fonte: Google

Bem, pra finalizar esse post visual, quero apenas dizer que uma coisa que me revolta muito é essa história de "cura gay", e tudo o que se refere a Marcos Feliciano, o mais sem noção de todos! Isso com certeza irá render um novo post, porque tenho nojo dele e de todos que são tão pequenos que concordam com ele! Nos manifestos pelo país, muitas pessoas (gays ou não), protestavam contra ele. Os gays não precisam de cura, pois não estão doentes; precisam sim de RESPEITO. E vocês, o que acham?

E pra fechar com chave de ouro, e pra refletir:

"A ditadura perfeita terá as aparências da democracia, uma prisão sem muros na qual os prisioneiros não sonharão com a fuga.
Um sistema de escravatura onde, graças ao consumo e ao divertimento, os escravos terão amor à sua escravidão"

Aldous Huxley (1894-1963)

Tá me chamando de goooooorda!?!?!

Minha foto

Sou uma arquiteta metida a programadora visual, fotógrafa e conselheira amorosa. Filha única, cresci sendo amiga de muitos meninos, que eram como meus irmãos. Isso me fez ver a mente masculina de uma forma um pouco diferente...