quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Muito cinza: tipo cinquenta tons!

Oi gente!

Hoje quero falar de um tema que está super em moda, e se chama Cinquenta Tons de Cinza! Será que existe ainda alguém neste mundo que não tenha ouvido falar nesse livro? É um fenômeno não só aqui no Brasil, mas no mundo todo. 

A trilogia completa

A autora, a americana E. L. James

Para os que não leram, um resumo da história do livro: é um romance (erotizado) no qual o príncipe no cavalo branco é substituído por Christian Grey, um empresário podre de rico e lindo, mas que tem problemas em relacionamentos e em se entregar, e adora uma sacanagem, principalmente se for a base de umas palmadas. Já a Cinderela foi substituída por Anastasia, uma virgem de 21 anos recém-formada e cheia de nóias. Acho que 98,7% das mulheres que leram o livro (ou OS livros, pois é uma trilogia), se apaixonam por Christian nas primeiras 100 páginas. Ele é um bruto, sabe? Mas é um bruto que sabe o que faz, e como faz! E que quando não está sendo um FDP, é muito fofo! 



São poucos os homens que estão lendo os livros (o que eu acho uma besteira, pois poderiam aprender um bocado). O grande sucesso vem do fanatismo das mulheres por Christian, e por se imaginarem com ele (aaaai Christian...). Mas há também aquelas pessoas que acham que o livro é super machista. Entendo, inclusive, essas pessoas, mas confesso que discordo. Ok, o cara é super dominador e controlador, e quer uma mulher submissa, que ele possa controlar e mandar, mas isso é entre 4 paredes (na maioria das vezes). Realmente ele exagera muitas vezes, mas ela gosta e consente (aliás, quem NÃO consentiria?? aaaai Christian...). Não considero o livro machista, pois apesar dele gostar de dar umas palmadas, de dominar e mandar, ele não se considera melhor do que Anastasia, pelo contrário, muitas vezes ele diz que ela merecia alguém melhor do que ele. Segundo o dicionário: 

ma-chis-mo: Atitude ou comportamento de quem não assume a igualdade de direitos para o homem e a mulher, sendo, pois, contrário ao feminismo.

Portanto, de acordo com o significado literal da palavra, ele não é machista, pois ele se preocupa com o prazer dela tanto quanto o dele. Digamos que ele é possessivo demais, isso sim!

Pra escrever esse post, preferi não ler outras opiniões sobre o livro em outros blogs, nem li as matérias de Veja e Época que falam sobre o livro, pois não queria me deixar influenciar. O que estou escrevendo aqui é basicamente minha opinião. 



Não sei se todo mundo que leu o livro teve a mesma opinião que eu (gente, deixa aqui a opinião de vocês!), mas eu considero que o livro virou um fenômeno mundial porque ele retrata o cara nada perfeito que toda mulher sonha em ter pelo menos uma vez na vida. Foi-se o tempo em que nós, mulheres, queríamos um cara certinho e imaculado, tipo Príncipe de conto de fadas. Isso não existe!!! Ok, ok....Christian também não existe, virou fruto de nossas fantasias, mas com certeza é algo mais palpável. As mulheres (mas não todas!) hoje sonham com um cara como ele, em vários aspectos. As mulheres querem ter prazer assim como os homens, e não têm mais vergonha de mostrar isso. Ele às vezes pode até lembrar o Coronel de Gabriela "se prepare que hoje vou lhe usar", porém ele usa mas também é usado (e como! aaaai Christian...). A partir do momento que tudo é consensual, faz sentido e é bacana. 

Depois de ler o volume 1 (Cinquenta Tons de Cinza), revi algumas opiniões, e aí começa aquele questionamento: "O que é errado? E por que é errado? Não gosto mesmo, ou tenho medo de experimentar e acabar gostando?". Acabei pensando nesses paradigmas que convivemos...

Já estou no volume 2 (Cinquenta Tons Mais Escuros), e estou curtindo muito também...

E vocês? Leram? Querem ler? São contra? Quero saber o que vocês acham! Tô louca pra saber a opinião de vocês!!!!!

Beijos!
:*
:*
:*











Tá me chamando de goooooorda!?!?!

Minha foto

Sou uma arquiteta metida a programadora visual, fotógrafa e conselheira amorosa. Filha única, cresci sendo amiga de muitos meninos, que eram como meus irmãos. Isso me fez ver a mente masculina de uma forma um pouco diferente...