quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Bon soir....

Olá pessoas!!!!!!! Voltei para o nosso blogzinho querido, cheia de idéias pra postar pra vocês! Acho que vocês sabiam que eu estava de férias, né? Pois é, saí de férias e passei esse tempinho sem postar, mas para os que curtem a página lá do face (clica aí do lado pra curtir também), viram que não esqueci vocês, né?! Pois então: tô com vários temas em mente, alguns já escritos em papeizinhos de rascunho, doidos para serem publicados pra vocês se divertirem!

Viajei nessas férias pra Suíça (ui, chique, né?)! Por motivos mais que pessoais, esse foi o destino escolhido, em especial uma cidadezinha bucólica linda, de 40 mil habitantes, no interior de lá: Fribourg. Não quero que isso aqui vire um blog sobre viagem, pois esse não me intuito, até porque não sou lá muito viajada, mas não posso deixar de comentar com vocês sobre alguns pontos que achei interessante. Ao todo passei 13 dias fora. A maior parte desse tempo fiquei em Fribourg. É uma cidade fofa, na parte francesa da Suíça (para os que são péssimos em geografia -como eu- a Suíça é um cotoco de país, e se divide em 3 partes: a francesa, a alemã e a italiana, com esses 3 idiomas comuns). Não sei bulhufas de francês, então tudo era um desafio pra mim! É engraçado que notei que nas cidades do interior, os moradores têm bastante preconceito com a língua inglesa; aliás, isso ocorre em grande parte da Europa. 

Os europeus têm um modo de vida bem diferente de nós daqui da América: eles vivem de uma forma que curtem mais a vida, os pequenos prazeres, sabe? Eu amo viajar e curtir o local que eu estou sem pressa, tipo sentada num parque só observando as pessoas. Adoro observar os outros e os costumes diferentes de cada local. Nessa viagem fiz bastante isso... Aproveitei também pra colocar a leitura em dia, lendo o tão falado "Cinquenta Tons de Cinza" (gente, esse livro vai merecer posts e mais posts: perfecto!!!). Então muitas vezes ficava tomando um chá, comendo um donut e lendo, observando as pessoas....amo isso! Bem, voltando aos europeus: eles têm um ritmo bem diferente daqui. É como se o capitalismo e a globalização lá não tivesse descaracterizado os costumes deles. Sabe por exemplo o preconceito pelo cigarro no mundo todo? Pois lá é até bem aceito... talvez pelo frio, não sei bem, mas é super comum ver as pessoas fumando, inclusive em restaurantes, e quase ninguém faz careta. Outra coisa que também acho o máximo é o valor que dão aos vinhos e às bebidas, mas não com um intuito de se embriagar, mas sim de apreciar os sabores. Putz, acho isso TUDO! Aqui não temos o hábito de beber sempre, e geralmente o nosso almoço é acompanhando de refrigerante (minto?), mas lá não..... lá as pessoas almoçam tomando uma tacinha do vinho da casa, pois acreditam (e eu também creio nisso) que o vinho realça o sabor da comida, e permite sentir mais os sabores. É o que eu estava falando: os europeus aproveitam a vida num ritmo próprio. Em muitos locais na Europa depois do almoço tem a siesta, que eles tiram uma soneca, a cidade pára, e só retoma lá pelas 16hs. E nem por isso chamam eles de preguiçosos! 

Uma coisa que percebi também é que lá eles não aparentam viver pra trabalhar, sabe? Estranhei muito principalmente os Shoppings e o comércio serem totalmente fechados nos domingos, e nos sábados fecham às 16 ou 18hs! Quando isso acontece aqui no Brasil???? O nível cultural deles é de ruborizar qualquer um: eu mal sei falar inglês, e lá a maioria fala alemão, francês, espanhol e italiano... Talvez porque por ser tudo pertinho, em 2hs de trem você já pode estar em outro país pra passar o dia. Aliás, isso é fantástico!!! Ai.... como eu invejo isso nos europeus: adoraria que aqui tivesse trens organizados e seguros, com muitos destinos. 

Com isso de trem, visitei Berna (a capital), Zofingen, Basel e Genebra. Confesso que essa esta última foi a que menos curti: por incrível que pareça é a segunda maior cidade de lá, tinha tudo pra eu amar, mas preferi infinitamente as outras menores. Diferente do Brasil, as cidades menores são ótimas pra se morar, pois têm mais tranquilidade, porém têm toda a infra-estrutura necessária para uma vida social bacana: têm lojas, restaurantes, cinemas (muitos, por sinal), teatros, boliches.... porém têm menos trânsito, o transporte público é impecável, não se tem violência nem miséria... sabe paraíso? kkkk

Ok, têm um defeito, aliás muitos, porque paraíso NÃO existe, do mesmo jeito que príncipe encantado também não. O custo de vida lá é assustador! Serviços principalmente. Se eu morasse lá, virava uma ursinha peluda e com as unhas roídas (cabeleiro, depilação e manicure são inviáveis!). Outra coisa engraçada é a água: a da torneira é potável, pode beber sem problemas, mas o curioso é que enquanto eu estava lá e bebia essa bendita água, minha barriga fazia uns barulhos bizarros! Aliás, descobri depois que isso acontece com TODO mundo! Muito bizarro! 

Também preciso falar (e bem) da preocupação deles com o meio-ambiente: se preocupam em reciclar o lixo, as ruas são mega limpas, os rios cristalinos, usam muito o transporte público, bicicletas.... 

Ok, ok......vocês devem estar pensando: "isso aqui virou blog de turismo?" .... não, não virou, e já vou finalizando por aqui, mas entendam que é porque estou sob os encantos europeus.... Inclusive que povo bonito, viu! PQP!!! É de babar com garçons, garis... E como uma imagem fala mais que mil palavras, e contra fotos não há argumentos, abaixo algumas fotinhos ;)

o capricho nos restaurantes de Berna
Nas margens do Aare River em Berna


Aaaah, o outuno....
Em Fribourg, esportes ao ar livre...

Tudo tão lindo, tão florido: Fribourg


Mais flores, em Berna

Na Universidade, muuuitas bicicletas

Fribourg

Lá tem tantos cachorros lindos, e grandes!

Calçada de uma loja em Fribourg


Os próximos posts voltarão ao velho esqueminha de sempre, e se preparem pq vou falar bastante de "Cinquenta Tons"...

Beijos! 
*
*
*

CENAS DOS PRÓXIMOS CAPÍTULOS: MINHA LEITURA :)



Tá me chamando de goooooorda!?!?!

Minha foto

Sou uma arquiteta metida a programadora visual, fotógrafa e conselheira amorosa. Filha única, cresci sendo amiga de muitos meninos, que eram como meus irmãos. Isso me fez ver a mente masculina de uma forma um pouco diferente...