domingo, 30 de março de 2014

#EuMereçoRespeito

Eu estava sem inspiração há um tempão, aí juntou com a preguiça, falta de tempo..... e confesso que morguei aqui com o blog. Até essa semana, que surgiu uma notícia que me revoltou muito, e daí a inspiração veio instantaneamente! Todo mundo deve ter visto a seguinte machete por aí:

Para 65% dos brasileiros, mulheres que mostram o corpo merecem ser atacadas

Segundo o site UOL:


"É o que mostra um levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgado na última quinta-feira. Para a pesquisa, foram entrevistadas 3.810 pessoas de ambos os sexos. 

Perguntados se concordavam, ou não, com a afirmativa "mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas", 65,1% respondeu que sim, total ou parcialmente. 
Surpreendente também foi a resposta positiva de 58,5% dos entrevistados à proposição "se as mulheres soubessem se comportar, haveria menos estupros".

Na conclusão do estudo, o Ipea destaca que a responsabilidade pela violência sexual continua sendo atribuída às mulheres. "A maioria [...] continua a considerar as próprias mulheres responsáveis, seja por usarem roupas provocantes, seja por não se comportarem 'adequadamente". "


Gente!!!!! Como assim????? Que mundo é esse? Quer dizer que agora existe uma justificativa pra estupro e agressão??? Cadê o direito de dizer NÃO que cabe às mulheres? Cadê respeito? E se só as roupas ou atitudes das mulheres fossem o estopim para um estupro, como explicar abusos às crianças, e até às idosas? Porque todas também podem ser vítimas. Fiquei com nojo de saber o resultado de uma pesquisa dessas. É muito revoltante imaginar que ainda existem pessoas tão machistas (e nojentas) que consideram uma agressão tão brutal e invasiva como um estupro algo "merecido". Ninguém, e deixando beeem claro que ninguém mesmo, merece ser tocada por alguém que não queira. 



Há alguns anos, no meu trabalho de conclusão da faculdade, fiz uma longa pesquisa sobre agressão às mulheres. Foi na época que saiu a Lei Maria da Penha. Fui numa casa-abrigo da Prefeitura daqui de Recife, na qual as mulheres agredidas pelos seus companheiros ficavam escondidas para se protegerem dos seus agressores. Conversei com algumas delas, e escutei histórias muito tristes. Na época escutei muita gente criticando essas mulheres, dizendo aquela frase ignorante "ah, mas peraí, apanha porque merece, se não quisesse apanhar era só ir embora". Isso me revoltava muito, porque eu senti de perto o drama delas, escutei suas histórias e sofrimentos, e por mais que para algumas pessoas exista Papai Noel e seja fácil deixar o agressor e simplesmente ir embora,  na vida real é mais complicado do que parece. Essas mulheres sofrem, apanham, são estupradas diariamente pelo próprio marido,... e o pior: são ameaçadas e têm seus filhos ameaçados. O risco de fugirem e logo depois serem assassinadas, ou de matarem suas famílias, as fazem permanecer no medo e sofrimento. 


E agora me deparo com esse nojo de resultado de pesquisa, que tenta justificar atos imbecis e sub-humanos com as atitudes das mulheres. Nenhuma mulher, seja ela criança, adolescente ou adulta, virgem ou prostituta, recatada ou insinuante, religiosa ou ateia, merece sofrer nenhum tipo de agressão. Não há em hipótese nenhuma justificativa pra isso. Recuso-me a acreditar que exista algum motivo que justifique um ato desses. 

Talvez se existisse uma punição mais séria nesse país, existisse mais respeito. Se em alguns lugares quem rouba um pão tem a mão cortada, que tal punirmos todos os estupradores e molestares com castração?! Ideia boa, né? Quem aí topa fazer uma nova pesquisa: "Você acha que estupradores deveriam ser castrados?" Espero que seja 100% de SIM, porque assim se cortaria o mal pela raiz....







domingo, 17 de novembro de 2013

Preguiça de viver!

Não sei vocês, mas estou passando por uma daquelas fases em que estou com "preguiça de viver", sabe? E não, antes que alguém pense que estou em depressão e quero me matar, já vou dizendo que uma coisa não tem nada a ver com a outra. Quando digo que estou com "preguiça de viver", estou apenas ressaltando o meu desejo de não fazer nada nas minhas horas vagas. Deve ter até alguma denominação linguística na língua portuguesa para exageros em expressões (se alguém souber, ajuda aí!).

Pois bem, sabe aquela coisa de passar a semana toda num ritmo frenético, trabalhando como uma louca, dormindo pouco, sem tempo pra nada? Aí quando eu vejo um sábado na minha frente, fantasio coisas maravilhosas com ele! Tipo: eu, uma camisola de algodão grandona (sim, bem brochante, tô nem aí), minha cama, e minha TV.... completado pelo doce e gordo sabor de um brigadeiro... aahhh, essa sensação de "nada pra fazer", me deixando totalmente disponível para curtir séries infindáveis no Netflix, sem me preocupar nem em pentear o cabelo, é das melhores sensações que uma pessoa pode ter na vida!
O prazer de não fazer nada me deixa sem palavras, e é algo tão difícil de ser ter, né? 

Bem, falando nisso, outro dia estava conversado com minhas amigas, e tocamos nesse assunto. Achei incrível e fascinante o fato de TODAS as meninas que conversei terem essa mesma fantasia que eu: camisola frouxa (e calcinha idem), TV (pra ver seriados), brigadeiro (e pipoca, talvez com cerveja), sem hora pra nada... e depois dizem que mulheres são complicadas! Isso sim faz qualquer mulher feliz!!!!!!


Conversando com os meus amigos homens percebi que é impressionante como felicidade sempre vem associada com mulheres, amigos e bebida... Pois bem, considerando uma felicidade solitária (e assexuada, por favor), veio a TV (sempre ela), cerveja e amendoim, cueca samba-canção e a liberdade para arrotar. Homens.....


Finalizando (porque tô com muita preguiça, e vocês também devem estar), o mundo hoje é tão puxado, tão corrido, que momentos de "preguiça de viver" tornaram-se cada vez mais raros. Mas podem ter certeza que, pra mim, ainda são os melhores!

E vocês, quais os melhores momentos de vocês? Beijos!!!


segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Babaca ou banana?

Esse é Bento: bom moço, trabalhador, fiel, fofo,
querido, romântico, educado, feliz....e banana!
Gente, seguinte: eu estava jantando agora e vendo a novela Sangue Bom (amo novela, e daí?). Estava passando uma cena com Bento (Marco Pigossi), e eu pensei "que mané"! Pois bem, então fiquei pensando sobre o assunto, e comecei a devanear loucamente, e assim nasceu o tema pra esse post. Aliás, quero até deixar claro aqui que adoro meu blog, mas pra eu escrever tem que vim assim, de repente, no susto, sabem?

Pois bem, voltando a Bento: enquanto eu estava parada pensando no motivo dele ser um "banana", pensei em Caio-Gostoso-Castro (o Dr.Michel de "Amor à Vida"). Daí comecei a relacionar os dois e pensei: "Qual o modelo ideal para as mulheres?"


Obviamente aqui só posso dar minha opinião, mas acho que deve ser a opinião da maioria. São 2 opostos: Bento, que é um fofo, carinhoso, amigo, gentil, educado, honesto, e mais fofo. Tão fofo que na novela chega a ser abestalhado, um verdadeiro banana. Já Michel é uma delicinha, fogoso, viril, cafajeste, galinha... e aí a mulherada baba só de ver. Pois bem, na ficção SEMPRE vou preferir o cachorro gostosão, até porque mesmo que ele trabalhe mal, sempre vai ter um peitoral definido pra gente babar. Mas na vida real, quero distância desse tipo, e prefiro correr para os braços de um Bento da vida, sabe?
 -Prazer, sou Caio-Gostoso-Castro, ou melhor,
Dr.Michel-Delícia: gostoso, viril, másculo,
fogoso, insaciável.....e um babaca

Isso quer dizer que mulher adora um homem que tenha A pegada, mas depois de um tempo só isso cansa, e fica aquela vontade de simplesmente ficar junto num dia de chuva em casa. Vou mais a fundo: Bento tem muito mais valor que qualquer Michel, mas pra uma mulher realmente dar valor a um Bento, precisa sofrer na mão de um Michel. Isso no final é bom, dá força. Sério!!!! Se a menina nunca conhecer um Michel, como ela vai saber e ter a certeza que aquele garoto bonzinho é o melhor pra ela? A diversidade é muito boa pra gente aprender a dar valor ao que nos é realmente importante. 



Ok, isso pode gerar polêmica... tô nem aí, essa é minha opinião, tá? E sim, Bento na vida real é o que toda mulher sonha e procura. Mas na ficção, vamos sempre pedir mais e mais Michels-cachorrões, porque vamos combinar: os cachorros sempre ficam melhor sem camisa né?

E pra fechar o post, um videozinho pra animar o dia de vocês (loucura, loucura, loucuuuuuuuura!):



E vocês, qual tipo preferem? E meninos, vocês são qual tipo? Beijos! :******





sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Hoje é dia de quê mesmo?

Pra quem não sabe, hoje (6/9) é o Dia do Sexo. E ontem (5/9) foi Dia do Irmão. E dia 2 de junho é o Dia da Prostituta. Sim, pessoas, existe dia da prostituta. E se você acha pouco, dia 3 de março é o Dia Internacional dos Direitos dos Trabalhadores de Sexo...



Fico com muita, mas muita raiva disso. Não por ter um dia em homenagem ao sexo ou a tudo relacionado a ele, mas sim por inventarem esse bando de data que não tem nada a ver! Ontem nas redes sociais era só o que tinha: parabéns aos melhores irmãos do mundo. Isso como se essa data fosse comum como Dia das Mães ou dos Pais. Eu nunca tinha ouvido falar nisso. E ninguém do meu ciclo de amizades já tinha ouvido sobre isso. 

Pra quem não sabe, sou filha única. Ainda bem que só inventaram essa data do Dia do Irmão agora, porque poderia ter gerado um trauma em mim, sabia? Imaginem que cada vez mais as pessoas têm um único filho, e e em como essas criancinhas podem se sentir solitárias em não terem um irmão pra comemorar esse dia? Se essa data vingar mesmo, vai ser um problema para as novas gerações! Dia da Avó mesmo, acho que não pegou direito. Por quase 30 anos nunca tinha ouvido sobre esse dia, e de uns anos pra cá toda vez tem campanha. So sorry, comércio, essa data não deu muito certo. Até porque como "avó é mãe 2 vezes", já ganhava presente no Dia das Mães, né?
E já que tem dia pra tudo, reivindico aqui um Dia do Filho Único. E se é pra ser data especial, por que não ter o Dia do Iphone, que mudou a minha vida e a de tantas pessoas? Dia do Blush também seria legal, pois é uma coisa muito importante na minha vida, pois me dá bochechas coradas sem ter que comer beterraba. Aliás, passei anos da minha vida sendo iludida pela minha mãe, que me dizia que eu só teria bochechas rosadas se comesse beterraba, até que um dia conheci o poder do blush e minha vida mudou. Acho muito justo destinar um dia especial a esse cosmético. 

Podia ter também o Dia Internacional das Dançarinas do Quadradinho de 8. Acho justo, acho louvável. Não que eu saiba dançar isso, aliás, nem nunca tentei. Mas as dançarinas merecem respeito por ter a coragem e flexibilidade de pagar esse mico em público. E sobre isso, inclusive, a diva Ticiane Pinheiro já teria aderido à essa campanha e já prestou uma homenagem em rede nacional.











Ok, é isso. E que data vocês acham que devia ter no nosso calendário? 

Beijos!!!!! :****** (dia do beijo já tem!)

PS.: Só pra deixar bem claro que isso tudo que eu falei foi sendo bem irônica, viu? Espero que ninguém venha me perguntar se eu estava falando sério! kkkkkkk





quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Você odeia ser você de vez em quando?

Juro que já estou com vergonha de vocês pela demora pra escrever aqui. Pois é, estou numa fase tão "xoxa" que nem meu bloguinho me anima... Malditos hormônios! Mas enfim, cá estou porque tive uma inspiração (espero que apenas a primeira de várias), pois uma amiga minha postou no Instagram dela:



Então isso me fez pensar, e pensar, e pensar mais um pouquinho. Daí conversando com outro amigo meu, ele me disse "Esse lance de dizer que passou a vida inteira gostando do que faz é conversa fiada. O ser humano é dinâmico." Pois é, aí tive a certeza de que minha desconfiança é mais séria do que eu pensava, e de que eu não sou a única pessoa do mundo que pensa e sente essas coisas.

Sempre pode ser pior....
Queria saber, inclusive, se há alguém nesse mundo que ama o que faz todos os dias. No começo dessa minha "insatisfação", me senti péssima. Mas aí passou. E depois de um tempo voltou. E passou de novo. E assim vai, indo e vindo. Percebi que não há problema nenhum em odiar o que fazemos. Todo mundo sente isso de vez em quando. Sou arquiteta, mas aí uma amiga minha veio com a jóia: "pelo menos a gente é arquiteta e lida com tijolo, imagina o urologista...?" Então é isso, meu lema de vida é: ...podia ser sempre pior...!

Eu odiava a faculdade. Odiava tudo nela. Mas fui até o fim porque amava trabalhar com arquitetura, e com meu estágio aprendia mais do que qualquer aula. Isso faz algum tempo, mas sei que ainda amo arquitetura. Só não amo 24hs por dia. Nas horas em que não estou trabalhando, amo fotografia, amo comer e beber, amo dormir, ver TV e jogar Candy Crush. Mas não amo arquitetura e nem nada relativo à ela nas minhas horas vagas. Amo muito mais esquecer arquitetura. Por isso não falo de arquitetura em bar, e nem viajo pra ver arquitetura, e não gosto de programas de TV sobre arquitetura. Sou arquiteta, mas arquitetura não está entre meus hobbies. 

Tá vendo que sempre pode ser beeeem pior?
Estou fazendo aula de fotografia (isso sim é meu hobby), e estou amando. Então fui a um parque aqui de Recife tirar umas fotos (quem quiser conferir vai lá no meu Flickr). Nesse parque tem uma Igrejinha fofa, e confesso que nem cheguei perto dela, porque NÃO, não gosto de fotos de arquitetura... Deve ser tipo a aversão que alguém que trabalha na McDonald´s deve sentir por batata frita...



E vocês? Vão me dizer que amam 100% do tempo o que fazem? 

Beijos!!!!

Tá me chamando de goooooorda!?!?!

Minha foto
Recife, Pernambuco, Brazil